Amamentação: um ato de necessidade e proteção



O Agosto Dourado chegou, um mês inteiro dedicado à promoção do aleitamento materno, considerado alimento de ouro pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No domingo que passou, 1º de agosto, foi celebrado ainda o Dia Mundial da Amamentação, que também dá início à Semana Mundial de Aleitamento Materno 2021 (SMAM).


Eu sei muito bem a importância do ato de amamentar. Inaê, minha filha, foi amamentada até seus três anos de idade. Mesmo com uma vida corrida, entre a faculdade e trabalho, a minha preocupação era que a minha filha recebesse o leite materno, então eu sempre deixava reservado em potes o que eu conseguia tirar para que durante o período que eu estivesse fora, Inaê recebesse o meu leite.


Durante o período de nascimento da minha filha, eu percebi que tinha uma produção muito grande, a chamada hiperlactção, e por isso fazia doações para o banco de leite materno do hospital gaspar viana, durante quatro meses.


A covid-19 afetou a captação de leites de Bancos de Leite Humano (BLH) em quase todo o Brasil, por isso a importância do mês dourado em reforçar a doação de leite materno, pois ele é o responsável pela coleta e distribuição de leites para cerca de 900 bebês internados. Os recém-nascidos prematuros são a maioria do público beneficiado.


Eu pude perceber com a minha filha que amamentar é também um ato de resistência, para amamentar, você precisa não apenas querer muito, embora isso seja fundamental. Você precisa de muita informação prévia para não cair nas armadilhas da indústria farmacêutica, das fórmulas, dos pediatras desatualizados, das críticas de familiares e estranhos. Você precisa de uma rede apoio que te dê suporte para as suas funções da vida que giram além do ato de maternar.


História da semana de aleitamento materno


A história da Semana Mundial de Aleitamento Materno teve início em 1990, num encontro da Organização Mundial de Saúde com a Unicef, momento em que foi gerada a “Declaração de Innocenti”. Para cumprir os compromissos assumidos pelos países após a assinatura do documento, em 1991 foi fundada a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação (WABA, na sigla em inglês). Um ano mais tarde, a entidade criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno e, todos os anos, define um tema a ser explorado e lança materiais que são traduzidos em 14 idiomas com a participação de cerca de 120 países. Desde 2016, a WABA alinha a campanha WBW com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), das Nações Unidas (ONU).


No Brasil, o mês do Aleitamento Materno foi instituído pela Lei nº 13.435/2.017, que determina que, no decorrer de agosto, serão intensificadas ações intersetoriais de conscientização e esclarecimento sobre a importância do aleitamento materno, tais como realização de palestras e eventos; divulgação nas diversas mídias; reuniões com a comunidade; ações de divulgação em espaços públicos; e iluminação ou decoração de espaços com a cor dourada.


O aleitamento materno é um direito humano que precisa ser respeitado, protegido e cumprido. Durante esta Semana Mundial de Aleitamento Materno, devemos lembrar de que proteger o aleitamento materno é uma responsabilidade compartilhada. Para todos nós, é hora de informar, engajar-se e articular ações com o objetivo de proteger e apoiar o aleitamento materno. Isso ajudará a garantir a sobrevivência, a saúde e o bem-estar das crianças e de suas famílias.