Após um ano em execução o Bora Belém já transformou a vida de mais de 15 mil famílias


“O Bora Belém é hoje a única forma de colocar alimento na minha mesa” essas foram as palavras que Andressa Guilherme, de 29 anos, mãe de três filhos, usou para expressar o que o “Bora Belém”, programa de renda cidadã criado pelo atual prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL), trouxe para a sua vida. A mãe solo, de três filhos, diz que o auxílio foi muito bem vindo e ajudou não somente ela, mas muitas famílias vulneráveis a terem assistência financeira e alimento em suas mesas, enquanto atravessavam um dos períodos mais difíceis da pandemia.


A fome não espera, ela dói e é uma triste realidade para cerca de 19 milhões de brasileiros, segundo pesquisa levantada pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan). A criação do programa pensado para amparar mães e pais solos, sem nenhuma renda, pessoas em situação de rua e em extrema pobreza, está ajudando a milhares de Belenenses a terem uma perspectiva de melhora deste quadro.


O programa “Bora Belém” completou um ano neste mês de fevereiro, e durante esses 12 meses, ele alcançou proporções inimagináveis, a cada mês o número pessoas cadastradas e contempladas sobe, chegando a estonteante marca de mais de 15 mil famílias beneficiadas e pretende chegar a marca de 22 mil famílias transformadas pelo auxílio.


A capital paraense é a única entre as demais capitais brasileiras a criar um programa de disposição de renda destinado a pessoas que se encontram em situação de extrema vulnerabilidade social, os valores pagos variam de R$ 150 até R$ 450, dependendo do perfil de necessidade do cidadão cadastrado, mesmo tendo a maior marca de famílias cadastradas em um ano, o Bora Belém terá um aumento no valor das parcelas repassadas às famílias.


A notícia foi anunciada nesta semana pelo prefeito da capital, Edmilson Rodrigues, que informou que o valor será aumentado e as famílias poderão receber até R$500. Vale ressaltar que o programa é feito em parceria com o governo do estado, porém, nesta nova etapa, os recursos destinados aos pagamentos serão municipais.


Mais do que um programa de distribuição de renda o Bora Belém trouxe um novo viés às famílias, mais expectativa de vida às pessoas em situação de rua, independência financeira às mães solo, geração de empregos às pessoas que viram na quantia uma oportunidade de empreender e tantas outras metamorfoses. Um programa de grande articulação assistencial, que de fato abrange as camadas mais pobres da nossa cidade, e chega para os que mais precisam de forma facilitadora e transformadora, garantindo que as desigualdades raciais e sociais sejam diminuídas.


Quem são as pessoas que podem participar do Bora Belém: - Famílias com renda per capita mensal inferior ou igual a R$89,00, consideradas de extrema pobreza;

- Famílias com renda per capita de R$89,01 a R$179,00 consideradas em situação de pobreza;

- Família monoparental feminina;

- Família monoparental;

- Famílias que tenham composição familiar de 0 a 18 anos;

- Famílias com gestantes ou nutrizes.


Para ter acesso ao programa Bora Belém: As pessoas devem se dirigir até um Centro de Referência de Assistência Social (Cras), nos horários de 8h às 16h e fazer o Cadastro Único (Cadúnico), portando os documentos de Identidade, CPF, Comprovante de residência, e para gestantes, comprovante de acompanhamento do pré-natal.

Ou pode verificar no site: sistemas.belem.pa.gov.br/bora-belem