As consequências do hate na internet tira a vida de Lucas Santos



O tribunal da internet fez mais uma vítima. Lucas Santos, filho da cantora de forró Walquiria Santos, foi encontrado morto em sua casa, em Natal (RN). O adolescente de 16 anos, tirou a própria vida, após receber mensagens homofóbicas em um vídeo de sua rede social, na plataforma do TikTok.


O garoto publicou um vídeo em que aparecia com o amigo, um conteúdo sem nenhum tipo de conotação amorosa, mas os seguidores do menino não pensaram assim, e logo sua rede social se encheu de mensagens negativas.


Após a repercussão negativa e comentários homofóbicos, Lucas chegou a gravar outro vídeo, explicando que ele e o amigo eram heterossexuais e que não imaginava que o vídeo fosse viralizar. E mesmo assim, as mensagens continuaram.


Ontem, uma mãe perdeu seu filho, e essa dor ninguém deveria carregar. Muita gente não entende que existem pessoas por trás das telas. São pessoas que estão todos os dias lendo sua mensagem, seu comentário. A internet pode parecer terra sem lei, mas é crime destilar ódio e preconceito. O Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) foi sancionado em 2014 e regula os direitos e deveres dos internautas. Ele protege os dados pessoais e a privacidade dos usuários.



Se você se sente extremamente sobrecarregado, ansioso, depressivo ou está pensando em se machucar, procure seu médico, psicólogo, amigo ou familiar e não esqueça do CVV - Centro de Valorização da Vida (ligue 188).