Congresso da cidade: conselheiros de Belém decidem hoje destino de 44 milhões


Foto reprodução


É hoje, 6, o congresso da cidade, do programa de participação popular 'tá selado' criado pela prefeitura de Belém, que encerra a segunda fase do programa. Foram 164 plenárias, 78 bairros e ilhas e 72 reuniões segmentadas, para poder construir um programa que marca um momento histórico de participação e consulta do povo.


Congresso começou às 13h, e contou com a participação do prefeito em exercício, Edilson moura, autoridades do governo, da câmara dos vereadores e todos as conselheiras e conselheiros eleitos.


Hoje, as conselheiras e conselheiros irão decidir a destinação da verba de 44 milhões para o ano de 2022 para a cidade.


O Congresso da Cidade junto as conselheiras e conselheiros irão votar e analisar a destinação da verba disponível para cada setor, como as áreas de saneamento, saúde, educação, meio ambiente, acessibilidade, e outros. Desses 44 milhões houve a divisão dos distritos, são eles: Daben, Dagua, Daico, Daent, Dabel, Damos, Daout, sendo uma parte desta verba, 8 milhões foi colocada para os setoriais, sendo um deles o indígena, que irá receber 200 mil para serem empregados em benefícios aos povos originários.


Foto reprodução

O prefeito Edmilson Rodrigues, foi o primeiro e único a implantar o mecanismo do Orçamento Participativo, já logo no primeiro ano de gestão do governo da nossa gente. Desde os primeiros dias de gestão foram realizadas reuniões amplas, assembleias populares e conclamações públicas à participação da população de Belém na construção da primeira experiência de Orçamento Participativo. O novo governo de Edmilson quer resgatar essa experiência


o Congresso da Cidade, que é um espaço de democracia direta para que a população apresentasse as suas perspectivas de forma ainda mais global sobre os rumos da administração municipal, e não mais apenas sobre a destinação de prioridades no orçamento da cidade.


O Congresso da Cidade que acontece agora, é um importante mecanismo para colocar o povo cada vez mais no centro das decisões da cidade e disputar os rumos das decisões administrativas de Belém.