Dias difíceis: mulheres afegãs temem pelo seu futuro


O que esperar depois dessa retomada da capital afegã pelo Talibã em relação as mulheres? É bem provável, e é de se temer que percam os direitos que tanto se custou para serem conquistados nos últimos 20 anos.


A todo momento, nós mulheres sofremos qualquer tipo de violação dos nossos direitos, e no Talibã, denúncias de restrição às liberdades das mulheres não são exceção. Esse é o problema maior, a privação de liberdade que antes já se era complicado de se obter.



Durante o governo Talibã, entre os anos de 1996 e 2001, a visão ultraortoxa da lei islâmica era imposta, oprimindo, excluindo e até mesmo matando, principalmente as mulheres. Não poder estudar ou trabalhar, não sair de casa se não acompanhadas por um membro de sua família do sexo masculino e obrigá-las a usar a burca em público é um dos mais assustadores processos que as mulheres afegãs passaram.


Imagens espalhadas por todo mundo são assustadoras, aeroportos lotados, numa tentativa de se refugiar em outro país, muitas mulheres que são conhecidas em Cabul, transmitiram através de suas redes sociais sua indignação e o medo de terem suas vidas destruídas.


Essa retomada do poder pelos afegãos, já começa a ter as mudanças e algumas bem significativas, no que compete às mulheres, impera uma sombra ruim sobre tudo o que conquistaram e o que pretendem conquistar.


E se pararmos para fazermos uma análise sobre o que nossas irmãs estão passando, não se distancia de nossa realizadas, a cada dia mulheres morrem, são silencias pelo regime machista que ainda impera na sociedade, e para piorar, usar o nome de Deus para cometer atrocidades é repugnante.