Funcionários da Eletronorte fazem greve contra a privatização

Medida provisória se aprovada encarecerá a conta de energia e poderá gerar apagões

Foto: Isabella Siqueira

A possível privatização da Eletronorte, levou 12 mil funcionários da empresa a iniciarem uma greve, segundo a categoria, o manifesto que iniciou na última terça-feira,15, terá duração de 72 horas. Os trabalhadores comunicaram à população que o movimento não afetará de modo geral o sistema, apenas haverá uma queda. Em média 70 % dos trabalhadores atuam na manutenção e operação do sistema, com isso, a falta de troca de turnos prejudicará apenas o atendimento de manutenção preventiva e o programado.


Os eletricitários alertam para as consequências da privatização, acarretando no encarecimento da conta de energia para a população, e também do perigo de apagões. O Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), afirma que diversos especialistas de segmentos distintos da sociedade, foram incisivos ao reforçar que o texto da Medida Provisória (MP) 1031/2021, da privatização da Eletronorte resultará em um aumento significativo na tarifa de energia, o chamado tarifaço na conta de luz.


Foto: Urbanitários do Pará

A MP é mais uma manobra do

desgoverno bolsonartista que visa privilegiar a classe que sustenta o governo do atual presidente, Jair Messias Bolsonaro, (Sem partido), indo de contra a população minorizada do país, que corre riscos de sofrer graves consequências se a medida for aprovada. No congresso a Medida Provisória 1031/2021 já foi aprovada na Câmara dos Deputados e tem até o dia 22 para ser aprovada no Senado, caso a data não seja obedecida, o texto perderá o efeito, motivo esse que fez o presidente do senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG) agilizar a pauta da votação para esta quarta-feira,16.


Os trabalhadores e trabalhadoras pedem o encerramento da MP alegando impactos e sérias consequências econômicas e sociais do projeto, segundo eles a prioridade na discussão da mudança precisa ser feita de forma responsável com planos que apresentem seriedades e esclarecimento à população, o que nunca foi realizado pelo governo, que hoje tenta aprovar de qualquer jeito uma medida totalmente prejudicial para o povo brasileiro.


A greve também é para reivindicar o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), feito entre a empresa e trabalhadores, que não está sendo cumprido pela Eletronorte, além de práticas antisíndicas, em que a empresa pretende demitir dirigentes sindicais dos estados do Amapá, Maranhão e outros.