Mobilização social impediu a derrubada do veto e irritou vereadores


A tentativa de derrubar o veto do PLC 01/2020 foi fracassado com a mobilização social na Câmara Municipal de Belém nesta manhã. O ato organizado pela frente “Salve Amazônia” cobrava dos vereadores a não derrubada do veto que altera o plano diretor de Belém sem debate amplo com a sociedade.


Uma comissão foi recebida pelo presidente da Câmara Zeca Pirão (MDB) e a votação foi suspensa, foi acordado a realização de audiências públicas para que a população possa participar dos debates sobre a alteração do plano diretor de Belém, essas audiências pretendem ser nos locais mais afetados pela mudança caso haja, como no bairro do Jurunas.


Enquanto o ato acontecia de forma pacifica do lado de fora da CMB, dentro da plenária, vereadores esbravejavam contra o povo. Usando palavras ofensivas, o vereador Roni Gás (PROS), tentou rasgar o documento entregue pelos manifestantes falando que votaria a favor da derrubada do veto. Outro que usou a oportunidade de fala na plenária para atacar os manifestantes foi Emerson Sampaio (PP), o vereador disse “o povo que está ai na frente estão sendo pagos e usados como massa de manobra política”, descredibilizando o ato que acontecia em frente a CMB, o vereador Mauro Freitas (PSDB), o mais interessado na derrubada do veto, disse na plenária que na orla do portal da Amazônia só tem ladrão e que foi assaltado com seu filho.


O ato teve a participação de dezenas de pessoas que estavam desde as 8h da manhã em frente à Câmara Municipal de Belém, com cartazes e faixas, lutando para que as orlas de Belém não sejam vendidas para a especulação imobiliária.