O “Programa alergia alimentar” é referência na UMS de Fátima em Belém





Tu sabes o que é APLV?


A sigla APLV significa alergia a proteína ao leite de vaca, e por que eu estou falando disso? A APLV é uma doença inflamatória, que atinge entre 3% e 5% dos bebês em amamentação, segundo um estudo publicado no periódico científico BMC Pediatrics, dos Estados Unidos.


A alergia à proteína do leite de vaca é um problema comum em crianças na primeira infância, com as primeiras manifestações sintomáticas durante os primeiros seis meses de vida. A alergia é transitória e o tempo de cura depende da gravidade do quadro clínico de cada criança.


Em todo o caso, quando um bebê é identificado com a alergia, a Unidade Municipal de Saúde de Fátima, entra em jogo. A prefeitura de Belém tem o programa chamado “programa de alergia alimentar”, e a unidade é a responsável por distribuir as formulas para as crianças que possuem a doença. A Assistente social Liane Flecha, foi uma das responsáveis por estar junto a criação do programa, e até hoje é responsável pelo projeto na unidade.


Segundo Liane, a UMS de Fátima atende ao todo cerca de 315 crianças, que recebem durante o mês uma média de 8 latas Formulas hipoalergênicas para crianças que tem alergia a proteína ao leite de vaca, onde o programa define a quantidade para cada crianças de acordo com sua idade e o quadro clinico nutricional. Para a assistente social, a importância de estar em um projeto como esse desde o princípio, é extremamente importante, e poder acompanhar histórico do bebê desde o início é fundamental.


Liane Lopes - Ass Social/Patricia Santos - Ass Social/ Lorena Falcão - Nutricionista/ Cristiane Góes - Administrativo


A unidade municipal de saúde de Fátima é a única que tem o programa ativo, lá as crianças recebem acompanhamento de nutricionistas, gastropediatras, e assistentes sociais, para fazer todo o acompanhamento da criança e de sua família. Liane fala sobre o acolhimento que é feito quando uma família chega na unidade “o programa é muito bem estruturado e principalmente afetuoso, sem muita burocracia, para que a família seja respeitada e bem atendida. Quando os pais chegam na unidade com o laudo da doença, no mesmo dia a criança já sai com a formula para alimentação”.



Médico Neonatologista Bruno Barbosa

O Médico Neonatologista da maternidade ProMatre Paulista diz que o diagnóstico para identificar se a criança tem alergia varia de acordo com os sintomas que a criança apresenta, porém não existe um exame especifico “O diagnóstico é difícil por que não tem um exame específico. Mas se o bebê apresentar dificuldade no ganho de peso, sangue nas fezes, diarreia, dermatite atópica, não podemos descartar APLV”.


O neonatologista diz que é importante ficar atento aos sintomas como “vômito e diarreia, até mais preocupantes como sangue nas fezes, perda de peso e retardo no crescimento” afirma.


É importante sempre ir as consultas periódicas e ficar de olho nos sintomas para que o diagnostico seja feito de forma precoce e a criança tenha uma alimentação adequada.