PEC do calote: Bolsonaro preste a ganhar um cheque em branco para garantir reeleição



Na madrugada de ontem, 04, foi aprovado o texto principal da PEC dos Precatórios, com 15 votos decisivos do PDT, partido do Ciro Gomes. A aprovação em 1º turno foi por 312 votos, apenas 4 a mais que o mínimo de 308 necessários, uma votação apertada mesmo com toda a manobra do presidente da casa Arthur Lira (Progressista), que movido por “muita preocupação com o povo brasileiro”, está fazendo de tudo para aprovar essa PEC, já apelidada de PEC do calote.


A PEC dos Precatórios cria um limite anual para o pagamento das dívidas do governo com pessoas e empresas que ganharam ações na Justiça. Na prática, é um calote em quem está há anos esperando receber algo que é seu por direito.


Exemplo: dívida bilionária da União com Estados e Municípios originadas do antigo FUMDEB.


A liberação vai garantir que Bolsonaro continue a torrar bilhões com emendas para deputados que ele tem comprado apoio político, é a compra de voto, coisa pior que o mensalão que o governo faz, a luz do sol, bem diante dos olhos da mídia nacional e movimentos sociais que continuam de braços cruzados diante da postura agressiva do governo.


Tudo isso sem garantia nenhuma que o “Auxílio Brasil”, programa social eleitoreiro que Bolsonaro lançou para substitui o bolsa família que ele mesmo conseguiu acabar, esteja nessa pec. O benefício pagaria pelo menos R$ 400 por família contemplada até o fim de 2022, ano eleitoral, onde Bolsonaro concorre à reeleição. A pergunta que fica é, se o programa social vai até 2022, como ficarão os mais de 14 milhões de brasileiros que dependem do auxilio para garantir a mínima condição de sobrevivência, que é se alimentar?


O encaminhamento do PDT favorável a pec do calote, fez com que Ciro Gomes, através do Twitter, pronunciasse a retirada de sua candidatura para presidente do Brasil, se no segundo turno de votação sua base parlamentar não votar contra esse projeto de ataque ao povo brasileiro e de fortalecimento do seu maior inimigo, Bolsonaro. Ciro postou que “A mim, só me resta um caminho: deixar a minha pré-candidatura em suspenso até que a bancada do meu partido reavalie sua posição. Temos um instrumento definitivo nas mãos, que é a votação em segundo turno, para reverter a decisão e voltarmos ao rumo certo”


Para Ciro, votar a favor da medida é o mesmo que “compactuar com as farsas e os erros bolsonaristas”.


Em resumo, ao aprovar o calote, deputados do PDT e PSB deram um cheque em branco para Bolsonaro trabalhar para ser reeleito. Se essa PEC for sancionada pelo Bolsonaro vai liberar $33bi em emendas do relator. O que se menos dará, será aos pobres. Convenhamos, Bolsonaro está se lixando para os mais pobres desse país. Pensa apenas em se reeleger a qualquer custo para seguir empobrecendo o povo é destruindo o país.