Povo Yanomami voltam a sofrer ataques de garimpeiros



E Continuam os ataques ao povo Yanomami. Sábado, 24, Garimpeiros em três embarcações voltaram a atacar indígenas da aldeia Palimiú, em Roraima, nas Terra Yanomami. A aldeia vive uma série de ataques desde o dia 10 de maio deste ano.


Um ofício assinado no último dia 27, pelo presidente do Condisi-YY, Júnior Hekurari Yanomami, informa que servidores do Distrito de Saúde Indígena Yanomami (Dsei-Y) e da Fundação Nacional do Índio (Funai) estavam no local e precisaram fugir durante o ataque.


Na mesma semana, Edgar Yanomami de 25 anos, morreu ao ser atropelado por um avião de garimpeiros em uma pista na comunidade Homoxi. O atropelamento foi por volta de 14h30.


O ofício também foi encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF). O órgão informou que recebeu o documento e deu início à apuração. “Assim que forem ouvidos os envolvidos, o MPF definirá as medidas cabíveis”, complementou em nota.


Maior reserva indígena do Brasil, a Terra Yanomami tem quase 10 milhões de hectares entre os estados de Roraima e Amazonas. Cerca de 27 mil indígenas vivem na região, alvo de garimpeiros que invadem a terra em busca da extração ilegal de ouro.


Em 2020, o ano da pandemia, o garimpo ilegal avançou 30% na Terra Yanomami. Só o rio Uraricoera concentra 52% de todo o dano causado pela atividade ilegal.


A invasão garimpeira causa a contaminação dos rios e degradação da floresta, o que reflete na saúde dos Yanomami, principalmente crianças, que enfrentam a desnutrição por conta do escasseamento dos alimentos.


Em 24 de maio, uma decisão do Supremo Tribunal Federal ordenou que o governo federal adotasse medidas para proteger a Terra Yanomami. Antes, uma outra medida judicial determinou o envio de efetivo armado para que ficasse de forma permanente em Palimiú.