Agroecologia: Como alternativa para superar a fome no Brasil


fonte: JC concurso

O Brasil voltou para o mapa da fome. Os brasileiros, no governo Bolsonaro, não conseguem fazer três refeições ao dia e por isso combater a insegurança alimentar e nutricional no país é uma necessidade urgente, afinal, lutar contra a desigualdade e por comida no prato do nosso povo nunca foi tão atual e urgente.

Segundo Adriana Charoux, a porta voz do Greenpeace no Brasil e coordenadora da campanha “Agroecologia contra a Fome”: “a alta dos preços está diretamente relacionada ao agronegócio, que “privilegia muito mais a exportação à custa de um encarecimento brutal dos alimentos e de um aumento exponencial da fome da população brasileira”, pontua Charoux.

Somos o país que mais bate recordes em exportações do agronegócio, no entanto, contraditoriamente, sofremos dia após dia, com 19 milhões de pessoas passando pelo sofrimento de não ter o que comer. Ou seja: 9% da nossa população está em situação de insegurança alimentar grave.

Se somada aos graus médio e leve, em que as pessoas não têm acesso pleno e permanente a alimentos, a insegurança alimentar atinge mais 100 milhões de pessoas, ultrapassando a metade de nossa população. Não bastasse o triste protagonismo do Brasil na pandemia da Covid-19, fruto da negligência do Estado, vivemos também uma epidemia de fome no país.

Isso precisa mudar. Agora. Hoje. Por isso, fortalecer a Agroecologia, como um contraponto ao modelo atual de produção alimentar que combina desmatamento, monocultura, uso de agrotóxicos e outros venenos fatais como a violência no campo deve ser um caminho percorrido por todos nós.